BLOG
/system/blogs/featured_images/000/000/100/original/calculo.png?1506623572

Para não perder alunos

  •   27/09/2017
  •   Wille Muriel
  •   Gestão de IES, Permanência de Alunos

A evasão de alunos é um dos maiores problemas da gestão de uma Instituição de Educação Superior. 
 
Imagine a seguinte situação: Sua IES recebe 400 novos alunos para a graduação nos diversos cursos que oferece. Mas ao final dos seis primeiros meses você descobre que 20 alunos evadiram. Isso significa uma evasão de 5% em relação aos calouros deste ano.
 
5% na taxa de evasão é pouco? Considerando um ticket médio de R$ 850,00 e que os cursos da sua IES tenham em média 4 anos podemos perceber o que 5% de evasão significa para as finanças da IES: Algo em torno de 700 mil reais em perdas de receitas ao longo de três anos e meio.
 
O que você poderia realizar se tivesse 700 mil reais para investir na IES? Aquisição de novos equipamentos para os laboratórios? Digitalização dos documentos institucionais? Implantação de novos modelos de aprendizagem ativa ou serviços mobile? Atualização da biblioteca? Mais recursos para captar mais alunos?
 
Veja como é importante evitar cada evasão. E saiba que ela não traz apenas problemas financeiros. A evasão nos faz perder pessoas, histórias de vida e possíveis referências para a captação de novos alunos.
 

Gestão da Permanência

 
Mas medir as taxas de evasão não é suficiente para resolver o problema. É preciso formar uma equipe de gestão da permanência, profissionais da IES devidamente capacitados para participar da elaboração de um Plano de Gestão da Permanência e implantá-lo, aprendendo a cada dia com o processo.
 
E aí encontramos novos desafios: 
 
1. Superar a nossa incapacidade de trabalhar em equipe.
2. Elaborar um plano de permanência consistente.
3. Cuidar muito bem da execução do plano, aprendendo durante o processo.
 
Existe um caminho mais direto para superar estes desafios. Isso envolve capacitação direcionada para o problema do cliente, ou seja, o caso específico da sua IES, aplicação de instrumentos de controle e oportunidades de certificação a partir dos resultados.
 
Sob o ponto de vista da Mantenedora é preciso compreender que investir em retenção de forma correta e bem orientada evita perda de receitas e, sob o ponto de vista do retorno sob o investimento é uma excelente oportunidade. Por que?
 
Criei o Modelo de Ciclos de Desempenho para Retenção de Discentes (CDRD) a partir de uma série de estudos realizados com profissionais de universidades americanas a partir de 2008 e brasileiras a partir de 2011.
 
Se quiser saber mais sobre o assunto é só me chamar. 
 
Abraços! E pare de perder alunos!